Seguidores

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Ais do Fingimento


               Terra úmida, poça d'agua, recordação
  Cada outono uma lembrança.
que guardo sem precisão.
          Quando no peito a angustia ferve

                                                                  Na mente imaginária
                                                                  Busco a fantasia...
                                                                  Nesta, sinto a suave brisa
                                                                  Que traz o cheiro da saudade!
                                                                   
                                                                   Mas... nos ais do coração,
                                                                   Cai por terra a fantasia
                                                                   Restando as labias
                                                                    do teu fingimento.

                                                                                                   Anna Ribeiro
                                                                   

Conto Minimalista

Que palavras a consolar, para dor de um coração magPor uma ausência, morria a cada dia.
                Em momentos, o desejo por horas infinitas em reverso tão submersas eternas aprisionadas saudades.
                Assim... Deixa-se levar vivendo a felicidade do passado.
                Em tênue cortina de ilusão enterlinhas literarias,
                Como numa plateia o devaneio da escritora foi tão somente ouvir.
                No rabiscar, não houve o bravo dos aplausos
                O papel foi jogado num canto qualquer...

                                                                                      * Anna Ribeiro